10 detalhes chocantes sobre a morte de Marilyn Monroe

A morte da estrela de Hollywood, Marilyn Monroe, teve um impacto tremendo em todo o mundo. O seu desaparecimento foi envolvido em uma neblina imensa de teorias misteriosas e de conspiração. Segundo fontes oficiais, Marilyn Monroe faleceu no dia 5 de Agosto de 1962 em sua casa, na Califórnia, vítima de overdose de drogas. Porém, será que foi realmente assim?

Hoje, vamos até às profundezas mais obscuras das teorias de conspiração que, sem dúvida, valem a pena considerar. Algumas circunstâncias sobre o seu falecimento são fascinantes e até mesmo chocantes.

 

 

#1 De acordo com os relatórios médicos, Monroe morreu de uma overdose de pentobarbital

1

O Pentobarbital é um medicamento hipnótico, que agora é usado na eutanásia. No entanto, traços dessa substância não foram encontrados na autópsia do corpo de Marilyn. Os médicos explicaram que essa circunstância era devida a que, um corpo viciado em drogas metaboliza a substância muito mais rapidamente do que o corpo de uma pessoa não viciada.

 

#2 Na noite da sua morte, a governanta de Marilyn havia lavado as roupas da cama

2

Quando o investigador da polícia, Dzhek Klemmons, chegou ao local, ele falou com a governanta de Marilyn, Yunis Murrey, que afirmou ter lavado as roupas de cama. Um oficial da polícia relatou que a governanta se comportava de maneira muito evasiva, o que fez os investigadores suspeitarem de que ela estaria escondendo alguma coisa.

 

#3 Na noite de sua morte, Marilyn estaria, supostamente, ao telefone com amigos e conhecidos

3

Alegadamente, estaria entre eles, Peter Lawford, cunhado de John F. Kennedy. Segundo palavras do próprio Peter Lawford, era óbvio que Marilyn estaria sob o efeito de drogas. Quando foram percebidas as inconsistências entre o depoimento das testemunhas e dos médicos, que alegaram que o corpo estaria limpo, foram levantadas suspeitas arrepiantes.

 

#4 Desde os anos 70, as autoridades têm tentado permanecer em silêncio sobre quaisquer teorias da conspiração envolvendo a morte de alguma celebridade

4

Norman Mailer foi o primeiro a questionar a estranha morte de Marilyn Monroe. Norman sugeriu que foi a relação com o presidente dos EUA que determinou o infeliz fim de Monroe. Ele afirmou que
Marylin estaria envolvida no plano de morte do presidente e de seu irmão, que ocorreriam no ano seguinte de sua própria morte. As teorias a esse respeito são bastantes, mas nada que possa ser comprovado.

 

 

#5 Antes de sua morte, Marilyn estava de bom humor

5

O relógio marcava aproximadamente 19:15 quando Marylin falou com Joe DiMaggio Jr. sobre notícias de sua ruptura com uma garota que Monroe não gostava. De acordo com a governanta, ela estava feliz por isso.

 

#6 A polícia não foi a primeira a chegar ao local

6

Quando a polícia chegou, a habitação de Marilyn já havia sido visitada por um médico psiquiatra, Greenson Hyman Engelberg. O médico pessoal da estrela.

 

#7 O misterioso caso novamente revisto em 1982

7

Devido à enorme pressão da opinião pública, e às diversas teorias da conspiração em volta do caso, o procurador geral da Califórnia foi forçado a reabrir o caso da morte de Marilyn. Acabaram por concluir que realmente se tinha tratado de um suicídio.

 

#8 O depoimento da governanta mudou várias vezes

8

Numa primeira fase, a governanta Yunis Murrey, disse à polícia que tinha observado a luz acesa no quarto de Marilyn por volta das 3h da madrugada e que então tinha decidido chamar o seu médico particular. Às 4h25, alegadamente, ela teria chamado a polícia. Porém, de acordo com os registos telefónicos, o médico foi chamado à meia-noite.

 

#9 A estrela estava de casamento marcado

9

Joe DiMaggio e Marilyn Monroe casaram-se em 1954. O casamento terminou, mas Joe e Marilyn permaneceram bons amigos. Quando a atriz se internou em um hospital psiquiátrico em 1961, ela recorreu a Joe e ele então a tirou de lá.

A relação melhorou e eles decidiram tentar de novo. O casamento foi planeado para 08 de agosto, três dias depois do dia em que Marylin faleceu.

 

 

#10 Joe DiMaggio proibiu a entrada de celebridades no funeral de sua ex-mulher

10

Joe DiMaggio decidiu fazer um funeral mais reservado e não convidou celebridades de Hollywood. Ele acreditava que essas pessoas é que teriam levado Marilyn Monroe ao suicídio. A estrela tinha um vestido verde de Emilio Pucci. O seu maquiador pessoal, Uayti Snayder, maquiou Marilyn Monroe pela última vez.

 

Fonte: Ofigenno