Fotografias mostram a realidade cruel de pessoas com malformações que eram exibidas como monstros

Com o tempo, os circos têm vindo a perder cada vez mais a importância que tinham enquanto espetáculo de entretenimento na sociedade. O conceito de circo para a maioria de nós, inclui para além de números com animais, palhaços e acrobatas. Porém, antigamente, existiam outros pontos de interesse que atraiam as pessoas: humanos com deformações. Isso mesmo, pessoas que nasciam com deformações e que por conta disso eram exploradas pelos donos dos circos.

Muitas das vezes, os “números de cartaz” eram mesmo essas pessoas. Essa situação só ocorria porque o ser humano sempre sentiu algum fascínio por coisas bizarras e esquisitas. Tendo isso em consideração, veja agora 12 cartazes dos mais famosos e bizarros “artistas” de circo que alguma vez existiram:

 

 

#1 Joseph Merrick – “O Homem Elefante”

#1 Joseph Merrick – “O Homem Elefante”

Joseph Merrick nasceu em 1862 com vários defeitos genéticos que se espalhavam da cabeça aos pés, incluindo uma série de tumores que cresciam por todo o corpo. As mudanças na sua aparência física começaram a revelar-se quando ele tinha cinco anos. Dizia-se na altura que a culpa era da mãe por se ter assustado com um elefante quando estava grávida. Não era fácil para ele encontrar um emprego, pelo que aceitou ser apresentado em espetáculos para ganhar a vida. Faleceu em 1890, durante o sono. Ele costumava dormir sentado, porque se se deitasse, sufocaria. Pensa-se que deslocou o pescoço enquanto apoiava a cabeça.

 

#2 Eli Bowen – “A maravilha sem pernas”

#2 Eli Bowen – “A maravilha sem pernas”

Bowen não era apenas um homem sem pernas; Ele fascinava o público ao fazer cambalhotas, truques com flechas e outras acrobacias. Sua condição era formalmente conhecida como Phocomelia. Ele morreu no Coney Island Dreamland Circus aos 79 anos.

 

#3 Lucia Zarate – “A mulher Fantoche”

#3 Lucia Zarate – “A mulher Fantoche”

Zarate ainda mantém o recorde do ser humano mais pequeno que já viveu neste planeta. A nativa do México nasceu em 1864, com apenas 220 gramas. Em adulta, pesava apenas 2,1kg. Faleceu com 26 anos depois de o comboio/trem do circo que a transportava ter ficado preso nas montanhas da Serra Nevada no meio de um enorme nevão, Lucía não resistiu ao frio e morreu de hipotermia.

 

#4 Minnie Woolsey – “Koo Koo a mulher pássaro”

#4 Minnie Woolsey – “Koo Koo a mulher pássaro”

Minnie Woolsey tinha uma condição chamada síndrome de Virchow-Seckel, o que significava que ela era careca, quase cega e sofria de uma série de problemas mentais.

 

 

#5 Elvira e Jenny Lee Snow – “Gêmeas de Yucatan”

#5 Elvira e Jenny Lee Snow – “Gêmeas de Yucatan”

Essas irmãs são mais conhecidas pela participação no filme “Freaks” de 1932, mas foram apresentadas no circuito de espectáculos paralelos, pois os seus pais alugavam as filhas para ganharem dinheiro. Ambas sofriam microcefalia, uma condição em que as pessoas têm a cabeça anormalmente pequena, geralmente resultando em um desenvolvimento cerebral insuficiente.

 

#6 Fred Wilson – “Menino Lagosta”

#6 Fred Wilson – “Menino Lagosta”

Nascido em Massachusetts, EUA, Fred Wilson, nasceu com ectrodactilia em 1866. A condição apresentava-se em ambas as mãos e pernas, e ele também tinha uma leve deformidade dentária.

 

#7 Annie Jones – “A senhora de Barba”

#7 Annie Jones – “A senhora de Barba”

Quando Annie Jones tinha apenas 5 anos, já apresentava um bigode farto e inclusive patilhas. Incrivelmente, ela foi sequestrada por um frenologista, que não é mais do que uma pessoa que estuda as medidas do crânio humano e origens da mente. Ela acabou por escapar e reencontrou os seus pais. Ela se casou duas vezes e odiava a palavra “loucos”. Faleceu aos 37 anos, com tuberculose.

 

#8 Josephine Corbin – “A mulher de quatro pernas”

#8 Josephine Corbin – “A mulher de quatro pernas”

Josephine Myrtle Corbin nasceu com dipygus, o que significa que ela tinha duas pelvis. Apesar de ser capaz de mover as suas pernas menores e internas, elas não eram fortes o suficiente para conseguir caminhar. Ela estava a menos de uma semana de distância de seu aniversário de 16 anos quando morreu por causa de uma infecção por Streptococcus na pele.

 

#9 Alice E. Doherty – “Bebê peludo de Minessota”

#9 Alice E. Doherty – “Bebê peludo de Minessota”

Nos registos, Doherty ainda é a única americana a nascer com hipertrichose lanuginosa. O seu longo cabelo loiro teria sido motivo de inveja se não tivesse coberto o seu rosto inteiro. Nascida em 1887, Doherty foi a única de seus irmãos a nascer com essa condição. Seus pais começaram a colocá-la no circuito de “Freak Shows” aos 2 anos, e enquanto lutavam com a condição dela, começaram a aceitá-la à medida que o dinheiro entrava nos seus bolsos.

 

#10 Isaac Sprague – “Menino esqueleto”

#10 Isaac Sprague – “Menino esqueleto”

Sprague não mostrou sinais de anormalidades físicas até aos 12 anos de idade. Nascido em Massachusetts, EUA, teve uma infância normal, e então quase de repente seu peso começou a diminuir. Alguns descreveram isso como uma atrofia muscular severa, e por causa de sua condição, ele não conseguiu encontrar um trabalho normal. Ele começou a viajar pelo país no circuito de “Freak Shows” aos 24 anos.

 

Aos 44 anos media 1,67m e pesava apenas 19 kg. Porém conseguiu ter três filhos. Aos 46 anos ele morreu de asfixia.

 

#11 “Schlitzie”

#11 “Schlitzie”

As circunstâncias que cercam o nome real ou o local de nascimento de Schlitzie ainda são um mistério, mas o que se sabe é que ele nasceu em 1901. Ele, tal como as Gêmeas de Yucatan, também apareceu no filme “Freaks”. Nascido com microcefalia e com capacidade mental de um menino de 3 anos, foi uma enorme atração no circuito de “Freak Show”.

 

12. Ella Harper, a “menina camelo”

12. Ella Harper, a “menina camelo”

Ella Harper, nascida no Tennessee, EUA, em 1873, ficou amplamente conhecida na época como a “menina camelo”. Harper nasceu com uma rara condição ortopédica chamada recurvato genu congênita, que fazia com que seus joelhos se dobrassem para trás. Sua preferência para andar apoiada sobre as mãos e pés resultou em seu apelido de “menina camelo”. Em 1886, ela foi apresentada como a estrela do Circo WH Harris, aparecendo nos jornais em cidades por onde o circo passou.

Naquela época e devido à falta de informação, essas pessoas eram realmente atrações bizarras!